Vidros

A aplicação de películas coloridas nos vidros das viaturas alem do escurecimento dos vidros, que dificulta a visibilidades para o interior, e da alteração visual e estética do automóvel proporciona uma grande protecção solar ao reduzir o calor e ao proteger contra as radiações ultravioletas em cerca de 99%.

Em caso de acidente as películas protegem os passageiros contra cortes pois mesmo que haja uma quebra nos vidros os estilhaços permanecem colados na película não provocando ferimentos.

A redução do calor dentro do interior da viatura tem como consequência a redução dos gastos com ar condicionado.

A gama de películas de segurança para viaturas oferece uma protecção adicional contra roubos e assaltos ao impedir a entrada no interior da viatura. Estas películas apresentam uma resistência excepcional, além de dificultarem a quebra do vidro impedem o fácil acesso através do mesmo. Este importante factor pode ser comprovado na secção de vídeos.

O Decreto-lei 392/2007 define as condições de aplicação de películas coloridas nos vidros das viaturas e quais os trâmites a realizar para ficarem 100% legais.

O primeiro passo a realizar para viaturas ligeiras de passageiros é escolher um instalador certificado que aplique películas devidamente homologadas em qualquer país da União Europeia e reconhecidas pelo IMTT como homologadas para Portugal e escolher a tonalidade pretendida.

Nas viaturas ligeiras de mercadorias, todo este processo apenas é necessário caso seja colocada película nos vidros à frente da caixa de carga. Nos comerciais as películas colocadas apenas na caixa de carga não necessitam de inspecção B nem averbamento no Documento Único Automóvel.

A lista de películas autorizadas em Portugal pode ser consultada aqui .

Todas as películas têm que conter uma marca de homologação que tem que ficar visível em todos os vidros das viaturas mesmo nos triângulos das portas ou nos vidros laterais traseiros por muito pequenos que sejam. A falta da marca de homologação num vidro com película é motivo para chumbar na inspecção normal ou tipo B.

O instalador deve emitir um certificado de garantia e instalação onde, além dos seus dados de identificação, devem constar todos os elementos identificativos das películas instaladas e também a identificação da viatura e do proprietário.

Após a instalação, e na posse deste documento, deve dirigir-se a um centro de inspecções do tipo B para efectuar a inspecção extraordinária que vai certificar a legalidade das películas instaladas. O valor desta inspecção é de 106.64€.

Com o documento da inspecção e o certificado de instalação (exigido por alguns serviços do IMTT) deve dirigir-se a uma delegação do IMTT para averbar as películas no Documento Único Automóvel. Este averbamento tem o custo de 150.00€.

Devido ao elevado valor da legalização as marcas homologadas em Portugal já solicitaram ao IMTT a revisão destas taxas, pelo que aguardamos que esta pretensão seja atendida.

Após todos estes passos alertamos para o facto de em todas as inspecções normais posteriores à colocação da película ser verificado o estado em que se encontra a película, ou seja uma viatura que se apresente a um inspecção normal com películas com bolhas ou a descolar, mesmo que tenha averbado no Documento Único Automóvel esta alteração, pode chumbar na inspecção normal.

Apresentar um carro a uma inspecção normal com películas não homologadas e não averbadas no Documento Único Automóvel é motivo para chumbo.

Alertamos ainda para o facto de a coima por circular com películas não homologadas e não averbadas no Documento Único Automóvel é de 250,00€ com a sanção acessória de apreensão dos documentos da viatura e posterior obrigatoriedade de a submeter a uma inspecção do tipo B para recuperar os documentos.